Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Plásticas, Químicas, Farmacêuticas, Abrasivas e Resinas Sintéticas de Sorocaba e Região

Imprensa

29-Abr-2021 12:33
1º de Maio

Centrais sindicais realizam atividades na Semana da Trabalhadora e do Trabalhador

Entidades realizarão um ato unificado no sábado (1º), que será feito pela internet em virtude da pandemia

No próximo sábado (1º) é comemorado o Dia do Trabalho, por isso entre os dias 26 e 30 de abril acontece a Semana da Trabalhadora e do Trabalhador, organizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT). 

De acordo com a entidade, neste ano as atividades terão um “caráter de denúncia sobre a tragédia vivida pela classe trabalhadora e toda a sociedade brasileira, vítimas da pandemia descontrolada, das altas taxas de desemprego, da escalada da inflação e da falta de comando do governo genocida de Jair Bolsonaro para combater o novo coronavírus e criar programas efetivos de geração de emprego e renda”. 

Nas palavras da secretaria-geral da CUT, Carmen Foro, “infelizmente, este 1° de maio será o mais trágico da história de nossas vidas. Nossa geração nunca viveu outras pandemias desta gravidade nem momentos parecidos como este. Não temos nada a celebrar em meio a tantas mortes, ao desemprego, à miséria provocada por este genocida”. E completa que o movimento gostaria “de estar nas ruas fortalecendo a luta por justiça, por comida e pela vida, mas a própria pandemia nos impossibilita”.

Para conferir todos os debates e as respectivas datas, acesse o site da CUT que contém o calendário.

Já exatamente no dia 1º de maio, a União Geral dos Trabalhadores (UGT), junto com a CUT e outras sete entidades ligadas a trabalhadores, realizará um ato unificado em comemoração ao Dia do Trabalhadores.

O evento que tradicionalmente ocorre no centro de São Paulo desta vez será realizado pela internet e transmitido pela TVT - TV do Trabalhadores, a partir das 14h, bem como nos canais do Youtube e redes sociais das centrais envolvidas. 

Figuras como os ex-presidentes da República Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Fernando Henrique Cardoso, parlamentares e lideranças partidárias e de movimentos sociais, além de entidades sindicais internacionais também participarão do evento.

Segundo Ricardo Patah, presidente da UGT e do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, “a pandemia levou mais de 20 milhões de brasileiros à miséria, deixou mais de 3 milhões de desempregados e fechou centenas de empresas. O Auxílio Emergencial de 600 reais até o fim da pandemia, nesse momento é uma alternativa para conter a fome, o avanço da miséria e a violência”.

Edição: Vinícius Segalla

Brasil de Fato
Deixe seu Recado