Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Plásticas, Químicas, Farmacêuticas, Abrasivas e Resinas Sintéticas de Sorocaba e Região

Imprensa

21-Jun-2021 07:51 - Atualizado em 21/06/2021 08:25
Brasil em luto

Mais de 500 mil vidas; opinião de Miguel Torres

No mesmo dia em que o país registra o marco de 500 mil mortes, milhares de manifestantes foram às ruas contra o governo Bolsonaro. Os atos pedem o impeachment do atual presidente da República e o avanço da vacinação em meio a críticas à gestão da pandemia no Brasil.

O principal culpado pelas mais de 500 mil mortes por covid no Brasil é o governo federal.

Este número com certeza poderia ser bem menor se o governo não fosse negacionista, se não tivesse apostado em remédios sem eficácia comprovada, na tal imunidade de rebanho, e se não agisse politicamente contra as vacinas, o distanciamento social e o uso de máscaras.

junho, 2021, imprensa, Foto: Sérgio Lima/Poder360
JunhoFoto: Sérgio Lima/Poder360

Foto: Sérgio Lima/Poder360

O momento é de muita indignação, de dor e também de muito respeito às pessoas que faleceram, às que estão adoecidas e às famílias. Perdemos amigos, parentes, colegas de trabalho e de luta e a doença continua perigosa e fatal.

Neste sábado, 19 de junho de 2021, data que infelizmente marcou as mais de 500 mil vidas ceifadas pela covid no Brasil, tivemos em todo o País protestos contra o governo.

Nós, da Força Sindical, que fizemos na sexta, 18, com as demais centrais sindicais, um Dia Nacional de Mobilização nos Locais de Trabalho, apoiamos este justo movimento inclusive com uma barraca instalada na Avenida Paulista, em São Paulo, para distribuição de máscaras e álcool gel.

Precisamos continuar fazendo a nossa parte: exigindo vacinas para todos, não importa a origem, urgência na vacinação, políticas de proteção ao emprego e à renda, locais de trabalho saudáveis e seguros e a ampliação da solidariedade social às pessoas carentes, sem moradias dignas, com frio, fome e desesperança.

Temos de pressionar os deputados e o presidente da Câmara Federal a colocarem em debate e votação a MP 1.039 (medida provisória do auxílio emergencial) e exigir que aprovem os 600 reais mensais, para quem precisa, até o fim da pandemia. A Luta faz a Lei!

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, da CNTM e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes

Rádio Peão
Deixe seu Recado